domingo, 2 de abril de 2017

Polícia prende 15 suspeitos de roubo milionário e explosão a bancos no PI

Quinze homens foram presos suspeitos de participação no roubo milionário a empresa de segurança privada ServiSan em Teresina no ano passado e ainda explosões a caixas eletrônicos. As prisões ocorreram durante a operação Tríade Paulista, deflagrada no Piauí, Maranhão e São Paulo na quinta (30) e nesta sexta-feira (31).

Segundo o delegado geral da Polícia Civil, Riedel Batista, parte da organização criminosa levou cerca de R$ 15 milhões e fugiu dentro de um caminhão para outro estado. "Os paulistas planejaram o roubo em maio de 2015 e somente em dezembro de 2016 conseguiram realizar o crime. Eles contrataram um ex-funcionário que conhecia a rotina da empresa para roubar o dinheiro. Essa pessoa junto com o integrante da quadrilha entraram na Servisan, enquanto o restante ficou do lado de fora. Para retirar os R$ 15 milhões da empresa e depois fugir, o grupo utilizou um caminhão alugado por um estudante de direito de Teresina", revelou o delegado.
Polícia Civil do Piauí deflagrou a operação(Foto: Carlos Rocha/ G1PI)

Ainda durante a operação, a polícia chegou a descobrir que os bandidos tinham participação da explosão aos caixas eletrônicos do Banco do Brasil localizados na Procuradoria do Estado e no Aeroporto Ministro Petrônio Portela, ambos os crimes praticados em julho do ano passado.

Um universitário e uma outra pessoa responsável pelo aluguel da casa onde o bando se hospedou foram presos ainda em Teresina, com outros sete suspeitos. Seis integrantes da quadrilha estavam em São Paulo. Um outro suspeito de participação do roubo da Servisan foi preso ainda em janeiro em Bacabal, no Maranhão, por outros crimes na cidade.

"Na verdade, uma semana depois do roubo na empresa a polícia de São Paulo recebeu a denúncia anônima de um grupo estranho em uma casa. Durante busca e apreensão no local, os policiais encontraram rádios comunicadores, munição para fuzil, dois carros de luxo, R$ 500 mil e uma mulher foi presa. Após investigação, descobrimos que o valor apreendido trata-se do dinheiro da Servisan", contou Riedel Batista.

Conforme o delegado, a outra parte do dinheiro oriundo do roubo foi dividido em contas de familiares dos suspeitos. Na tentativa de repor o valor roubado, a polícia solicitou o bloqueio das contas dos envolvidos, para os quais foram expedidos mandados de prisão temporária de 30 dias.

Entre os envolvidos está o ex-rei momo de Teresina, preso por participação na morte do cabo Valdemir, e suspeito no roubo ao Bando do Brasil do Aeroporto de Teresina.

Ex-funcionário recebeu R$ 200 mil

A Polícia Civil do Piauí descobriu que o funcionário da empresa de segurança privada ServiSan, alvo de um roubo milionário em Teresina, recebeu R$ 200 mil para ajudar a quadrilha a ter acesso ao cofre onde estava o dinheiro. A informação foi confirma pelo secretário de segurança, Fábio Abreu.

O rapaz também trabalha em uma escola da rede estadual, na qual as câmeras de segurança registraram o contato com o grupo responsável pelo assalto, sem resistência por parte do funcionário.

Segundo a polícia, isso tornou o funcionário um suspeito de colaboração com a quadrilha, além do fato dele ter entrado em contradição várias vezes.

* G1 PI

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opine com responsabilidade sem usar o anonimato!

A Liberdade de Expressão... está assegurada, em Lei, à todo Cidadão,LIVRE!

Entre em contato - E-mail: nossoparanarn@gmail.com