sábado, 6 de outubro de 2018

'Muito cruel', diz avó de menino agredido com chute no peito pelo padrasto

Imagens mostram menino de 4 anos agredido pelo padrasto em Sertãozinho, SP — Foto: Reprodução
Sequência de imagens mostra padrasto agredindo menino de 4 anos em Sertãozinho, SP 

A avó paterna do menino agredido com um chute no peito pelo padrasto em Sertãozinho (SP) afirma que, antes de o caso vir à tona, suspeitou da forma como o neto vinha sendo tratado pela mãe e o marido, mas não recorreu às autoridades.

Segundo Isabel Mendes Martins, o menino não era mais levado à sua casa, sempre sob a desculpa de que estava de castigo.

"A gente pedia pra ela [mãe] pra gente buscar o menino, aí ela falava assim: que ele não podia, que estava de castigo, estava muito arteiro, estava de castigo, então ele não ia pra lugar nenhum", diz.
Isabel Mendes Martins, avó de menino agredido em Sertãozinho, SP — Foto: Reprodução/EPTV

A Polícia Civil instaurou um inquérito por maus-tratos contra o padrasto, que se apresentou nesta sexta-feira, prestou depoimento e foi liberado. Segundo o delegado Ildon Pimenta de Pádua, ele afirmou que perdeu a cabeça ao saber que o enteado havia sido expulso da escola, informação não confirmada pela Secretaria Municipal de Educação.

O Conselho Tutelar aplicou uma medida protetiva à criança, levada aos cuidados do pai biológico. O irmão dele, um bebê de 6 meses, filho do suspeito, teve a guarda transferida para a avó materna.

'Muito cruel'

A agressão foi registrada na quarta-feira (3) pelas câmeras de segurança de um imóvel no Jardim Jamaica. Um morador testemunhou a cena e denunciou ao Conselho Tutelar.

Nas imagens obtidas pelos conselheiros, o padrasto do menino, Diego de Souza Valente, de 22 anos, e a criança param de moto na Rua Yoshinobu Kobata. A criança desce da garupa, usando capacete e uma mochila, parece conversar com o homem e é agredida com um chute no peito.

O menino cai no chão, levanta atordoado e sobe na moto. Em seguida, os dois vão embora.

"Não dá nem pra falar mais nada, porque foi cruel, muito cruel mesmo", afirma Isabel.

Para a avó, a cena será difícil de ser esquecida. "Isso está me doendo por dentro, porque, se eu soubesse, a gente tinha tomado providências há mais tempo, só que ninguém sabia de nada, então ficou por isso mesmo", afirma.

Investigações

Valente foi identificado após o vídeo ser divulgado nas redes sociais pelo conselheiro tutelar Rodrigo Clemente. Na noite de quinta-feira (5), ele esteve com uma equipe da Guarda Civil Municipal na casa da família, no Jardim Santa Rosa, mas o suspeito já havia fugido. A mulher dele, mãe do menino, negou as agressões. Entretanto, vizinhos confirmaram os maus-tratos.

No início da tarde desta sexta-feira, Valente se apresentou na delegacia. Segundo o delegado, ele disse que foi agredido por um grupo de cinco homens após ser reconhecido nas imagens. Um outro vídeo mostra o homem sendo espancado.

À polícia, o homem afirmou que perdeu a cabeça ao buscar o enteado na creche, porque foi comunicado que o menino havia sido expulso por causa do comportamento agressivo. Valente também disse que, ao chegar em casa, a criança apanhou da mãe.

O delegado afirmou que apesar do vídeo deixar clara a agressão, Valente não será preso e que o caso demanda uma investigação mais prolongada.

*Por EPTV 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opine com responsabilidade sem usar o anonimato!

A Liberdade de Expressão... está assegurada, em Lei, à todo Cidadão,LIVRE!

Entre em contato - E-mail: nossoparanarn@gmail.com