terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Prefeita cassada é substituída interinamente por vereador que foi motorista dela

No próximo dia 17 de março, os cidadãos de Cascavel, a 69 km de Fortaleza, irão às urnas decidir quem será o novo prefeito do município. Por enquanto, o Executivo da cidade está sendo liderado interinamente por Sebastião Uchoa (PDT), presidente da Câmara dos Vereadores. De acordo com moradores da região, antes de entrar na política o parlamentar trabalhou como motorista da ex-prefeita Ivonete Pereira (PDT).

Ela e o vice, Waltemar Matias (PDT), tiveram a chapa eleitoral cassada. No último dia 28 de janeiro, o Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) negou recurso apresentado pela defesa de Ivonete, manteve a decisão da primeira instância e ordenou o imediato cumprimento.

A eleição

Escolhida por 20,1 mil eleitores, a chapa liderada pela pedetista recebeu 52,69% dos votos válidos, conseguindo reelegê-la. Contudo, a condenação que pesa contra ela e o companheiro de legenda por abuso do poder político envolve o período pré-eleitoral.

Eles foram considerados culpados pela Justiça Eleitoral após suspeita de terem contratado número excessivo de servidores temporários e comissionados, além de estagiários admitidos por meios fraudulentos no ano eleitoral. Também recai contra a chapa suposto repasse irregular de recursos públicos à Associação dos Universitários de Cascavel, favorecendo grupo de jovens que apoiavam o partido dela.

As denúncias ainda incluem liberação em quantidade desproporcional de benefícios previdenciários em 2016, ano da eleição. Por fim, Ivonete e Waltemar teriam usado ônibus escolares municipais irregularmente na campanha para divulgação da candidatura.

Briga na Justiça

“A chapa dela não conseguiu comprovar que essas contratações tiveram motivos excepcionais, então ficou comprovado que tinha cunho eleitoral, tanto que após as eleições ela demitiu os funcionários contratados no período pré-eleitoral)”, acusa Tiago Ribeiro, advogado e candidato derrotado a vice-prefeito da coligação “O povo no poder” em 2016.

Argumento semelhante é apontado pelo advogado da chapa “A verdadeira mudança”, também derrotada nas eleições daquele ano e responsável por apresentar a denúncia na Justiça Eleitoral. Pedro Teixeira Cavalcante Neto ressalta ainda que a decisão do TRE-CE deixa Ivonete e Waltemar inelegíveis por oito anos.

Na segunda-feira, 4, a ex-prefeita se pronunciou por meio de redes sociais. Ela disse que irá recorrer da decisão judicial. “Esclareço aos cascavelenses que exercerei o meu direito constitucional de recorrer. É nosso dever buscar a justiça com a mesma determinação com que lutamos para desenvolver esta cidade”, disse. Na nota, a prefeita afirma ser inocente das acusações. “Sempre procurei dar passos honrados e dignos na minha vida pessoal e administrativa”.

*O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Opine com responsabilidade sem usar o anonimato!

A Liberdade de Expressão... está assegurada, em Lei, à todo Cidadão,LIVRE!

Entre em contato - E-mail: nossoparanarn@gmail.com